Japão testa novo medicamento contra o COVID-19

Com a pandemia do coronavírus, governo japonês corre para testar novo medicamento e salvar o máximo de vidas possível.

ANÚNCIO

No final de fevereiro, executivos da sede da Fujifilm em Tóquio se esforçaram para coordenar uma equipe de 100 funcionários que seriam responsáveis ​​por uma tarefa sem precedentes em seus 86 anos de história: o ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, pediu a ajuda da empresa de câmeras e imagens para combater Covid-19.

Naquele momento, apenas cerca de 130 pessoas no país haviam sido infectadas. Mas uma pandemia estava à vista.

ANÚNCIO

avigan tablets with japanese text and the number 200 on each pill

O governo japonês entra em ação

Com o surto se espalhando rapidamente e sem vacina ou tratamento no horizonte, Kato esperava encontrar um medicamento existente que pudesse ser usado para tratar a onda de pacientes que certamente viria.

Um candidato era um medicamento anti-influenza chamado Avigan, desenvolvido décadas antes pela subsidiária da Fujifilm, Toyama Chemical.

ANÚNCIO

Nas semanas que se seguiram, a equipe da Fujifilm conseguiu mais do que alguns governos poderiam afirmar ter feito em resposta à disseminação do Covid-19.

Trabalhando em diferentes escritórios e fábricas, os membros do grupo fizeram planos de contingência para aumentar a produção do medicamento, aconselharam pesquisadores clínicos em todo o Japão e ajudram a levar o medicamento a hospitais onde seu uso havia sido aprovado pelo governo como uma medida de emergência para tratar dezenas de pacientes do Covid-19.

Em 28 de março – no último sábado – o primeiro-ministro Shinzo Abe disse a repórteres que seu governo havia iniciado o processo formal para designar Avigan como tratamento padrão do Japão para o Covid-19.

Uma etapa crítica nesse processo envolve ensaios clínicos, um dos quais será concluído no final de junho. E, embora ainda não haja dados detalhados que comprovem a eficácia do Avigan como tratamento Covid-19, existem algumas razões para otimismo.

Resultados animadores

Uma delas chegou em 17 de março, quando Zhang Xinmin, funcionário do Ministério da Ciência e Tecnologia da China, disse que o Favipiravir, a versão genérica do Avigan, provou ser eficaz no tratamento de pacientes com Covid-19 em hospitais de Wuhan e Shenzhen.

Era, Zhang disse, “muito seguro e claramente eficaz” no tratamento de pacientes com Covid-19.

E embora os dados e a metodologia por trás das alegações de Zhang não tenham sido divulgados, ele anunciou algumas das conclusões que os médicos tiraram delas.

em um hospital em Shenzhen, Zhang alegou que os pacientes do Covid-19 tratados com Favipiravir tiveram resultado negativo para o vírus após um mediana de quatro dias, em vez dos 11 dias necessários para que os membros do grupo de controle do estudo testassem negativo.

em outro estudo realizado em Wuhan, pacientes que tomavam o medicamento supostamente se recuperaram da febre quase dois dias antes do que aqueles que não tomaram o medicamento.

Tais resultados, preliminares e não confirmados, parecem estar em conformidade com o funcionamento do Favipiravir.

Mas como o medicamento funciona?

Ao contrário da maioria dos outros tratamentos contra influenza, que inibem a propagação do vírus pelas células, bloqueando a enzima neuraminidase, o Favipiravir atua inibindo a replicação de genes virais nas células infectadas, mitigando a capacidade do vírus se espalhar de uma célula para outra.

O que isso significa, em termos práticos, é que o medicamento aplicado em pacientes com carga viral baixa ou moderada pode impedir o agravamento da doença.

E existem algumas evidências de que o favipiravir pode atingir esses mesmos efeitos em outros vírus que não a gripe. 

Traduzido e adaptado pela equipe SM

Fonte: Wired

ANÚNCIO