Fotógrafa captura realidade de quem vive se preparando para desastres

Fotos mostram um pouco da vida dos "prepers", pessoas que estocam comida, mantimentos, papel higiênico e até fazem cursos de sobrevivência para enfrentar catástrofes

 

 

Their houses were ordinary save for the extra supplies tucked away wherever they fit.
estoque de comida enlatada chamou a atenção da fotógrafa

A fotógrafa holandesa Lise Straatsma se lembra do dia exato em que ela mergulhou de cabeça no mundo da preparação.

Foi em 13 de novembro de 2015, quando terroristas lançaram uma série de ataques coordenados por toda Paris que mataram 129 pessoas. Straatsma estava visitando a cidade para um festival de fotografia e estava em um bar perto de um dos tiroteios.

Enquanto ela e os outros clientes esperavam lá dentro, ocorreu-lhe que ela não tinha idéia de como se proteger – não apenas de um homem armado, mas de maneira geral de qualquer ameaça em potencial.

ANÚNCIO

“Algo realmente grande estava acontecendo e eu tinha que me cuidar. Eu tinha muito poucas habilidades para fazê-lo”, diz ela.

Tentando amenizar sua ansiedade, Straatma começou a pesquisar como se proteger. Uma jornada que a levou a uma subcultura de pessoas na Holanda que se preparavam ativamente para possíveis crises e desastres.

Como ela estudava fotografia na Academia Real de Arte de Haia, parecia natural documentá-las – e sua eventual incursão na preparação.

“Era uma arma contra o medo”, diz ela, discutindo a gênese de sua série The Alpha Strategy. “Fiquei com muito medo e pensei que deveria haver algo que eu pudesse fazer.”

A maioria das pessoas que Straatsma contatou por meio de fóruns e sites de preparação se recusou a encontrá-la, preocupada com a forma como poderiam ser retratadas.

Encontrando os “estocadores”

Três – incluindo um homem que escreveu o livro sobre como sobreviver a desastres na Holanda – finalmente a convidaram para suas casas. Eles continham todos os móveis e decoração habituais, além de um mês ou mais em suprimentos extras guardados em qualquer lugar que pudessem caber.

Comida enlatada no armário, tanques de gasolina na banheira e uma pilha de papel higiênico semelhante a Jenga em um quarto (Sua distância ao teto serve como “uma medida para o estado do mundo”, disse o proprietário) eram cenas comuns.

Straatma evitou fotografar os enormes estoques que você pode associar à preparação, optando por capturar detalhes mais sutis que a surpreenderam. “Tentei me afastar das imagens de clichês que já conhecemos muito bem e que podem melhorar o estigma”, diz ela.

Essas pessoas não estavam preocupados com o apocalipse, mas com eventos mais banais, como uma inundação catastrófica que contamina a água potável de uma cidade ou uma tempestade solar que interrompeseu sistema elétrico.

uma das fotos de Straatsma, mostrando a porta de um bunker nuclear

Soou razoável para Straatsma; ela logo começou a manter alguns suprimentos extras em sua casa. “Não estamos falando do fim do mundo quando falamos de coisas que podem se tornar um problema para a sociedade”, diz ela.

Mas como você não pode enfrentar todos os desastres em ambientes fechados, Straatsma também participou de uma aula de sobrevivência no deserto, aprendendo como acender uma fogueira, construir um abrigo e outras habilidades necessárias para o que os preppers chamam de “desbravar”.

Valeu à pena?

Ela realmente se sente mais segura agora? mais ou menos. “Me acalma que eu tenho algum conhecimento básico. Eu me sinto mais no controle ”, diz ela. “Mas, por outro lado, desde que você participe de nossas estruturas econômicas e sociais atuais, ainda estará muito vulnerável.”

É uma sensação com a qual qualquer pessoa que tenha visitado recentemente os corredores vazios do supermercado local pode se identificar. Na visão de Straatma, não faria mal a todos estarem um pouco mais preparados.

Traduzido e adaptado pela equipe SM

Fonte: Wired

 

ANÚNCIO